Páginas

quarta-feira, 7 de março de 2012

Senador americano pede que EUA entrem em guerra contra a Síria


 
John McCain.

Vladimir Zhirinovsky, líder do Partido Liberal-Democrático e candidato presidencial derrotado na última eleição na Rússia advertiu alguns dias atrás que a Terceira Guerra Mundial pode começar ainda este ano, durante o verão europeu (entre junho e setembro). De acordo com o político, o foco do próximo conflito será no Oriente Médio, especificamente na Síria e no Irã.
Para muitos isso não passava de bravata política, mas ele insiste que os norte-americanos forçariam a queda de Bashar al-Assad na Síria, e depois apoiariam um golpe militar no Irã. Com isso, aumentariam as tensões entre outros países da região. Ao que parece algumas dessas coisas não estão longe de acontecer.
Ontem o presidente americano Barack Obama teve uma reunião na Casa Branca, com Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, onde afirmou que seu país “sempre protegerá Israel”.
O chanceler israelense anunciou que seu país está pronto para atacar o Irã se for necessário e conta com a ajuda norte-americana. “Você sabe, para eles [iranianos], você é o Grande Satã, nós somos o pequeno satã. Para eles, nós somos vocês e vocês somos nós. Sabe de uma coisa, presidente? Pelo menos neste último ponto que eu acho que eles estão certos” afirmou Netanyahu olhando para Obama, que concordou.
Nesta segunda-feira, o senador republicano John McCain pediu que os Estados Unidos bombardeiem as tropas sírias para proteger as cidades e criar lugares seguros para a oposição síria.
McCain entende que os EUA sofreriam uma “derrota moral e estratégica” se o presidente da Síria Bashar Al-Assad se mantiver no poder. Uma ação militar forçaria uma transição política negociada na Síria”Vamos ser claros: isso exigirá que os Estados Unidos destruam as defesas aéreas do inimigo, pelo menos em parte do país…. O presidente deve indicar de forma inequívoca que, sob nenhuma circunstância, Assad irá terminar o que começou… Assad e seus militares não permanecerão no controle da Síria, e os Estados Unidos estão preparados para utilizar todo o seu poder aéreo para garantir isso… O povo sírio merece ter sucesso, e será uma vergonha se nós não conseguirmos ajudá-los”, acrescentou McCain em seu discurso no Senado.
O senador deseja ainda que os EUA deveriam liderar “esforços internacionais” para proteger as cidades sírias controlada pelos rebeldes e apoiar o Exército Livre da Síria, que reúne opositores do atual governo.
A Administração Obama respondeu ao senador McCain enfatizando que os EUA vão continuar “colocando pressão” sobre o regime de Assad, mas que uma intervenção militar poderia transformar o conflito em uma guerra maior.
A ONU estima que sete mil pessoas já foram mortas na Síria desde o ano passado quando começaram os protestos contra o governo atual.

Traduzido e adaptado de Christian Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário